public marks

PUBLIC MARKS from tadeufilippini with tag poetry

May 2010

Casa das Rosas

(via)
Bem-vindo ao site da Casa das Rosas A Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura - é um local de celebração da poesia, da literatura e da arte em geral. Localizada no coração de São Paulo, a Casa serve de cenário para a efervescência da vida cultural, sendo um espaço onde a arte literalmente acontece. Leia mais

Confined Love by John Donne

Confined Love Some man unworthy to be possessor Of old or new love, himself being false or weak, Thought his pain and shame would be lesser If on womankind he might his anger wreak, And thence a law did grow, One might but one man know; But are other creatures so? Are Sun, Moon, or Stars by law forbidden To smile where they list, or lend away their light? Are birds divorced, or are they chidden If they leave their mate, or lie abroad a-night? Beasts do no jointures lose Though they new lovers choose, But we are made worse than those. Who e'er rigged fair ship to lie in harbours And not to seek new lands, or not to deal withal? Or built fair houses, set trees, and arbors, Only to lock up, or else to let them fall? Good is not good unless A thousand it possess, But dost waste with greediness. John Donne

A Broken Appointment by Thomas Hardy

You did not come, And marching Time drew on, and wore me numb. Yet less for loss of your dear presence there Than that I thus found lacking in your make That high compassion which can overbear Reluctance for pure lovingkindness' sake Grieved I, when, as the hope-hour stroked its sum, You did not come. You love not me, And love alone can lend you loyalty; -I know and knew it. But, unto the store Of human deeds divine in all but name, Was it not worth a little hour or more To add yet this: Once you, a woman, came To soothe a time-torn man; even though it be You love not me. A Broken Appointment Thomas Hardy (1840-1928 / Dorchester / England)

Poet: Thomas Hardy - All poems of Thomas Hardy

Thomas Hardy (1840-1928 / Dorchester / England) Biography Poems Quotations Comments More Info Stats

March 2010

Poet: Henry David Thoreau - All poems of Henry David Thoreau

Henry David Thoreau (1817 - 1862 / Boston / United States) Biography Poems Quotations Comments More Info Stats

Mist by Henry David Thoreau

Low-anchored cloud, Newfoundland air, Fountain head and source of rivers, Dew-cloth, dream drapery, And napkin spread by fays; Drifting meadow of the air, Where bloom the dasied banks and violets, And in whose fenny labyrinth The bittern booms and heron wades; Spirit of the lake and seas and rivers, Bear only purfumes and the scent Of healing herbs to just men's fields! Henry David Thoreau Mist Henry David Thoreau (1817 - 1862 / Boston / United States)

ACONTECIMENTOS: Jorge Luis Borges: "Los justos"

(via)
Los justos Un hombre que cultiva su jardín, como quería Voltaire. El que agradece que en la tierra haya música. El que descubre con placer una etimología. Dos empleados que en un café del Sur juegan un silencioso ajedrez. El ceramista que premedita un color y una forma. El tipógrafo que compone bien esta página, que tal vez no le agrada. Una mujer y un hombre que leen los tercetos finales de cierto canto. El que acaricia a un animal dormido. El que justifica o quiere justificar un mal que le han hecho. El que agradece que en la tierra haya Stevenson. El que prefiere que los otros tengan razón. Esas personas, que se ignoran, están salvando el mundo. Os justos Um homem que cultiva seu jardim, como queria Voltaire. O que agradece que na terra haja música. O que descobre com prazer uma etimologia. Dois empregados que num café do Sur jogam um silencioso xadrez. O ceramista que premedita uma cor e uma forma. O tipógrafo que compõe bem esta página, que talvez não lhe agrade. Uma mulher e um homem que lêem os tercetos finais de certo canto. O que acaricia um animal adormecido. O que justifica ou quer justificar um mal que lhe fizeram. O que agradece que na terra haja Stevenson. O que prefere que os outros tenham razão. Essas pessoas, que se ignoram, estão salvando o mundo.

February 2010

Annabel Lee - Edgard Allan Poe / Fernando Pessoa

FERNANDO PESSOA ANNABEL LEE * (by Edgar Allan Poe) It was many and many a year ago, In a kingdom by the sea, That a maiden there lived whom you may know By the name of Annabel Lee; And this maiden she lived with no other thought Than to love and be loved by me. I was a child and she was a child, In this kingdom by the sea; But we loved with a love that was more than love- I and my Annabel Lee; With a love that the winged seraphs of heaven Coveted her and me. And this was the reason that, long ago, In this kingdom by the sea, A wind blew out of a cloud, chilling My beautiful Annabel Lee; So that her highborn kinsman came And bore her away from me, To shut her up in a sepulchre In this kingdom by the sea. The angels, not half so happy in heaven, Went envying her and me- Yes!- that was the reason (as all men know, In this kingdom by the sea) That the wind came out of the cloud by night, Chilling and killing my Annabel Lee. But our love it was stronger by far than the love Of those who were older than we- Of many far wiser than we- And neither the angels in heaven above, Nor the demons down under the sea, Can ever dissever my soul from the soul Of the beautiful Annabel Lee. For the moon never beams without bringing me dreams Of the beautiful Annabel Lee; And the stars never rise but I feel the bright eyes Of the beautiful Annabel Lee; And so,all the night-tide, I lie down by the side Of my darling, my darling, my life and my bride, In the sepulchre there by the sea, In her tomb by the sounding sea. * This poem was translated to portuguese by Fernando Pessoa

Annabel Lee - Edgard Allan Poe / Fernando Pessoa

(via)
FERNANDO PESSOA ANNABEL LEE * (de Edgar Allan Poe) Foi há muitos e muitos anos já, Num reino de ao pé do mar. Como sabeis todos, vivia lá Aquela que eu soube amar; E vivia sem outro pensamento Que amar-me e eu a adorar. Eu era criança e ela era criança, Neste reino ao pé do mar; Mas o nosso amor era mais que amor -- O meu e o dela a amar; Um amor que os anjos do céu vieram a ambos nós invejar. E foi esta a razão por que, há muitos anos, Neste reino ao pé do mar, Um vento saiu duma nuvem, gelando A linda que eu soube amar; E o seu parente fidalgo veio De longe a me a tirar, Para a fechar num sepulcro Neste reino ao pé do mar. E os anjos, menos felizes no céu, Ainda a nos invejar... Sim, foi essa a razão (como sabem todos, Neste reino ao pé do mar) Que o vento saiu da nuvem de noite Gelando e matando a que eu soube amar. Mas o nosso amor era mais que o amor De muitos mais velhos a amar, De muitos de mais meditar, E nem os anjos do céu lá em cima, Nem demônios debaixo do mar Poderão separar a minha alma da alma Da linda que eu soube amar. Porque os luares tristonhos só me trazem sonhos Da linda que eu soube amar; E as estrelas nos ares só me lembram olhares Da linda que eu soube amar; E assim 'stou deitado toda a noite ao lado Do meu anjo, meu anjo, meu sonho e meu fado, No sepulcro ao pé do mar, Ao pé do murmúrio do mar. Fernando Pessoa * Traduzido de Annabel Lee, de Edgard Allan Poe, ritmicamente conforme com o original.

January 2010

December 2009

Poema La Ciudad Sin Laura de Francisco Luis Bernardez - Poemas de

(via)
Poema La Ciudad Sin Laura de Francisco Luis Bernardez En la ciudad callada y sola mi voz despierta una profunda resonancia. Mientras la noche va creciendo pronuncio un nombre y este nombre me acompaña. La soledad es poderosa pero sucumbe ante mi voz enamorada. No puede haber nada tan fuerte como una voz cuando esa voz es la del alma. En el sonido con que suena siento el sonido de una música lejana. Y en la energía remota que la mueve siento el calor de una remota llamarada. Porque mi voz es una chispa de aquella hoguera que eterniza lo que abrasa. Porque mi amor es una chispa de aquella hoguera que eterniza lo que abrasa. Para poblar este desierto me basta y sobra con decir una palabra. El dulce nombre que pronuncio para poblar este desierto es el de Laura. Las cosas son inteligibles porque este nombre de mujer las ilumina. Porque este nombre las arranca de las tinieblas en que estaban sumergidas. Una por una recuperan su resplandor espiritual y resucitan. Una por una se levantan con el candor y la belleza que teman. La obscuridad desaparece mientras el sueño silencioso se disipa. Por este nombre de los nombres hasta la muerte sin palabras tiene vida. Ya no resuena entre las cosas el gran torrente de las noches y los días. El tiempo calla y se detiene para escuchar esta perfecta melodía. Mi vida entera permanece porque este nombre que recuerdo no me olvida. Porque este nombre me sostiene con emoción desde su tierna lejanía. Cuando mi boca lo ignoraba, la soledad era más honda que el silencio. Cuando mi boca estaba muda, mi corazón era invisible como el viento. Se conocía que vivía por la canción que lo tenía prisionero. Pero vivía en otro mundo; para las cosas de este mundo estaba muerto. Le pesadumbre de las horas era mas íntima que nunca en aquel tiempo. Porque las noches eran largas; porque los días de las noches eran lentos. La tierra estaba más obscura porque faltaban las estrellas en el cielo. El manantial de donde brota la luz que alumbra el corazón estaba seco. ¿Qué hubiera sido de mi vida sin este nombre que pronuncio en el desierto ? ¿Qué hubiera sido de mi vida sin este amor que me acompaña desde lejos? Lejos está la dulce causa del corazón, de la cabeza y de la mano. Pero su ausencia es la del río, que con la fuente que lo llora vive atado. Nunca he sentido como ahora la vecindad de la mujer que estoy cantando. Cuando el amor está presente no puede haber nada escondido ni lejano. La luz del fuego que me alumbra ¿no es la que alumbra el corazón del ser amado ? La llamarada que me quema ¿no es la del fuego en que se quema sin descanso ? Aunque las leguas se interponen entre nosotros, ya no pueden separarnos. Porque el amor que vence al tiempo no puede estar sino a cubierto del espacio. Entre la dicha y mi existencia la diferencia que hubo ayer se va borrando. El ser que nombro es el que, siendo, me da una vida sin dolor ni sobresalto.

November 2009

Cecília Meireles: Retrato "Eu não tinha este rosto de... - Pensador

"Eu não tinha este rosto de hoje, assim calmo, assim triste, assim magro, nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo. Eu não tinha estas mãos sem força, tão paradas e frias e mortas; eu não tinha este coração que nem se mostra. Eu não dei por esta mudança, tão simples, tão certa, tão fácil: Em que espelho ficou perdida a minha face?"

October 2009

August 2009

O Caderno de Saramago

Yemen Agosto 10, 2009 por José Saramago À escritora colombiana Laura Restrepo, nossa amiga pelo coração e pelas ideias, encarregou-a Médicos sem Fronteiras que viajasse ao Yemen para depois contar o que lá tivesse visto, ouvido e sentido. O relato dessa experiência foi agora publicado no “El País semanal”, uma reportagem impressionante como, em princípio, qualquer outra que se faça em África, mas que a arte de narrar de Laura, ao recusar, como é próprio da sua natureza de escritora, os efeitos emotivos de uma escrita que intencionalmente apelasse à sensibilidade do leitor, prefere expressar por uma obstinada procura de realidade directa ao alcance de poucos. As descrições da chegada dos barcos que vêm da Somália, sobrecarregados de fugitivos que esperam encontrar no Yemen a solução das dificuldades que os empurraram para o mar, são de uma rara eficácia informativa. Vêm neles os homens, as mulheres e as crianças do costume, mas Laura Restrepo não tarda a mostrar-nos como é possível falar de homens sem estar obrigado a falar das mulheres e das crianças que com eles vieram, mas que das crianças seria impossível falar se não se falasse também, e sobretudo, das mães que os trazem, às vezes ainda na barriga. As situações em que essas mulheres vão encontrar-se depois de desembarcarem no Yemen constituem um catálogo completo das humilhações morais e físicas a que estão sujeitas só pelo facto de terem nascido mulheres. Por trás de cada palavra escrita por Laura há lágrimas, gemidos e gritos que seriam capazes de nos tirar o sono se a nossa flexível consciência não se tivesse acomodado à ideia de que o mundo vai aonde querem os que o dominam e que para nós já será bastante cultivar o nosso quintal o melhor que soubermos, sem que tenhamos de preocupar-nos com o que se passa do outro lado do muro. Esta, sim, é a mais velha história do mundo. Ver vídeo da reportagem Publicado em O Caderno de Saramago | Comments Off

July 2009

tadeufilippini's TAGS related to tag poetry

4shared +   4shared encyclopedia +   4shared poetry +   annabel +   art +   arte +   augusto +   augusto campos +   blake +   blake william +   blogspot +   books +   bookstore +   carteirodopoente +   cep +   cep20000 +   clas +   concreta +   concreta poesia +   concrete +   concrete poetry +   Edgar Allan Poe +   encyclopedia +   encyclopedia 4shared +   encyclopedia poetry +   fabiana +   fabiana ratti +   fabianaratti +   fernando pessoa +   free +   imported +   Ipanema +   Janeiro +   jesus +   jesus mercy +   jesus misericordia +   Jose +   lee annabel +   leminski +   leminski paulo +   leprevost +   library rpo +   literarure +   literatura +   literatura meiapalavra +   literature +   livraria +   Maria +   mariannemoore poemhunter +   meiapalavra literatura +   meiapalavra poesia +   meiapalavra.com.br +   mercy +   mercy jesus +   misericordia +   misericordia jesus +   music +   musica +   paulo leminski +   pauloleminski +   pauloleminski poemas +   pauloleminski poesia +   pauloleminski poetry +   poe +   poem +   poema +   poemas +   poemas pauloleminski +   poemhunter +   poemhunter.com +   poems +   poesia +   poesia pauloleminski +   poesia concreta +   poesia meiapalavra +   poesiaconcreta +   poesy +   poet +   poeta +   poetas +   poetry pauloleminski +   poetry 4shared +   poetry concrete +   poetry encyclopedia +   poets +   ratti +   ratti fabiana +   rio +   rio janeiro +   RJ +   rpo library +   tadeufilippini +   teatro +   Thomas +   tripod +   ufl +   vasconcelos +   wikipedia +   William +   william blake +