public marks

PUBLIC MARKS from tadeufilippini with tag letras

This year

Vaca Profana - Caetano Veloso - LETRAS.MUS.BR

(via)
Vaca Profana Caetano Veloso Respeito muito minhas lágrimas Mas ainda mais minha risada Inscrevo, assim, minhas palavras Na voz de uma mulher sagrada Vaca profana, põe teus cornos Pra fora e acima da manada Vaca profana, põe teus cornos Pra fora e acima da man Ê, ê, ê, ê, ê Dona das divinas tetas Derrama o leite bom na minha cara E o leite mau na cara dos caretas Segue a "movida Madrileña" Também te mata Barcelona Napoli, Pino, Pi, Paus, Punks Picassos movem-se por Londres Bahia, onipresentemente Rio e belíssimo horizonte Bahia, onipresentemente Rio e belíssimo horiz Ê, ê, ê, ê, ê Vaca de divinas tetas La leche buena toda en mi garganta La mala leche para los puretas Quero que pinte um amor Bethânia Stevie Wonder, andaluz Como o que tive em Tel Aviv Perto do mar, longe da cruz Mas em composição cubista Meu mundo Thelonius Monk's blues Mas em composição cubista Meu mundo Thelonius Monk's Ê, ê, ê, ê, ê Vaca das divinas tetas Teu bom só para o oco, minha falta E o resto inunde as almas dos caretas Sou tímido e espalhafatoso Torre traçada por Gaudi São Paulo é como o mundo todo No mundo, um grande amor perdi Caretas de Paris e New York Sem mágoas, estamos aí Caretas de Paris e New York Sem mágoas, estamos a Ê, ê, ê, ê, ê Dona das divinas tetas Quero teu leite todo em minha alma Nada de leite mau para os caretas Mas eu também sei ser careta De perto, ninguém é normal Às vezes, segue em linha reta A vida, que é meu bem, meu mal No mais, as ramblas do planeta Orchata de chufa, si us plau No mais, as ramblas do planeta Orchata de chufa, si us Ê, ê, ê, ê, ê Deusa de assombrosas tetas Gotas de leite bom na minha cara Chuva do mesmo bom sobre os caretas

A Whiter Shade Of Pale - Joe Cocker - LETRAS.MUS.BR

A Whiter Shade Of Pale Joe Cocker We skipped the light fandango Turned cartwheels 'cross the floor I was feeling kinda seasick But the crowd called out for more The room was humming harder As the ceiling flew away When we called out for another drink The waiter brought a tray And so it was that later As the miller told his tale That her face, at first just ghostly Turned a whiter shade of pale She said: There is no reason And the truth is plain to see But I wandered through my playing cards And would not let her be One of sixteen vestal virgins Who were leaving for the coast And although my eyes were open They might have just as well've been closed She said: I'm home on shore leave Though in truth we were at sea So I took her by the looking glass And forced her to agree Saying: You must be the mermaid Who took neptune for a ride But she smiled at me so sadly That my anger straightway died If music be the food of love Then laughter is its queen And likewise if behind is in front Then dirt in truth is clean My mouth by then like cardboard Seemed to slip straight through my head So we crash-dived straightway quickly And attacked the ocean bed

With a Little Help From My Friends - Joe Cocker - LETRAS.MUS.BR

th a Little Help From My Friends Joe Cocker What would you do if I sang out of tune Would you stand up and walk out on me Lend me your ears and I'll sing you a song I will try not to sing out of key Ohh baby I get by (By with a little help from my friends) All I need is my buddies (Try with a little help from my friends) I said I want to get high I will (High with a little help from my friends) Who-ho-hoo-yeah What do I do when my love is away (Does it worry for you to be alone?) No no How do I feel by the end of the day (Are you sad because your on your own) I hope you don't say it no more (By with a little help of my friends) Gonna get by with my friends (Try with a little help from my friends) Heel-heel-heel I'll will try (High with a little help from my friends) Keeping it high I will (Do you need anybody) I need someone to love (Could it be anybody) All I need is someone, who knows just where I'm going yeah Somebody who knows quiet sure, baby (By with a little help from my friends) Said I'm gonna make it with my friends, I will (Try with a little help from my friends) Who-hoo-I wonna keep on trying (High with a little help from my friends) I'm gonna keep on trying (Would you believe in a love at first sight?) I'm certain it happens all the time yeah (What do you see when you turn off the lights?) I can't tell ya, but it sure feel like mine (By with a little help of my friends) Don't you know I'm gonna make it with my friends (Try with a little help of my friends) I promised my self I get by (High with a little help of my friends) Said I'm gonna try it a little to hard (Do you need anybody) Ohaaa- yeah yeah yeah (Could it be anybody) Oh there's gonna be somebody Ohh yeah yeah (By with a little help from my friends) Said I'm gonna get by with my friend, I tell ya (Try with a little help from my friends) Ooh yes I'm gonna keep trying (High with a little help from my friends) Keeping it trying with my friends (By with a little help from my friends) Ooh you never gonna stop me anymore (Try with a little help from my friends) I'll keep on trying (High with a little help from my friends) Get on high, I'm wanna make time oh lord Gonna get by with my friends

14 Bis - LETRAS.MUS.BR

Mais tocadas Enviar letra → Linda Juventude Caçador de Mim Planeta Sonho Uma Velha Cancão Rock'n Roll Todo Azul do Mar Bola de Meia, Bola de Gude Sonhando o futuro Pele de Verão Espanhola Nova Manhã Mesmo de Brincadeira Pais e Filhos Razões do Coração Pequenas Coisas Dias Melhores Virão Todos Nós Nave de Prata Canção da América Dona de Mim A Qualquer Tempo

Todo Azul do Mar - 14 Bis - LETRAS.MUS.BR

Todo Azul do Mar 14 Bis Foi assim Como ver o mar A primeira vez Que meus olhos Se viram no seu olhar... Não tive a intenção De me apaixonar Mera distração e já era Momento de se gostar... Quando eu dei por mim Nem tentei fugir Do visgo que me prendeu Dentro do seu olhar... Quando eu mergulhei No azul do mar Sabia que era amor E vinha prá ficar... Daria prá pintar Todo azul do céu Dava prá encher o universo Da vida que eu quis prá mim... Tudo que eu fiz Foi me confessar Escravo do seu amor Livre prá amar... Quando eu mergulhei Fundo nesse olhar Fui dono do mar azul De todo azul do mar... Foi assim Como ver o mar Foi a primeira vez Que eu vi o mar Onda azul Todo azul do mar... Daria prá beber Todo azul do mar Foi quando mergulhei No azul do mar...

Todo Azul do Mar - Flávio Venturini - LETRAS.MUS.BR

(via)
Todo Azul do Mar Flávio Venturini Foi assim, como ver o mar A primeira vez que meus olhos se viram no seu olhar Não tive a intenção de me apaixonar Mera distração e já era momento de se gostar Quando eu dei por mim nem tentei fugir Do visgo que me prendeu dentro do seu olhar Quando eu mergulhei no azul do mar Sabia que era amor e vinha pra ficar Daria pra pintar todo azul do céu Dava pra encher o universo da vida que eu quis pra mim Tudo que eu fiz foi me confessar Escravo do seu amor, livre pra amar Quando eu mergulhei fundo nesse olhar Fui dono do mar azul, de todo azul do mar Foi assim, como ver o mar Foi a primeira vez que eu vi o mar Daria pra beber todo azul do mar Onda que vem azul, todo azul do mar Foi a primeira vez no azul do mar Daria pra beber todo azul do mar Foi quando mergulhei no azul do mar

Silver Springs - Fleetwood Mac - LETRAS.MUS.BR

(via)
Silver Springs Fleetwood Mac You could be my silver spring Blue-green colors flashing I would be your only dream Your shining over ocean crashing Don't say that she's pretty And did you say that she loved you Baby I don't want to know So I begin not to love you Turn 'round, see me running I say I loved you years ago But tell myself you never loved me no And don't say that she's pretty And did you say that she loved you Baby I don't want to know Oh no And can you tell me was it worth it Baby I don't want to know Time cast a spell on you But you won't forget me I know I could have loved you But you would not let me Time cast a spell on you But you won't forget me I know I could have loved you But you would not let me I follow you down 'till the sound Of my voice will haunt you (Give me just a chance) You'll never get away from the sound Of the woman who loves you (Was I just a fool) I follow you down 'till the sound Of my voice will haunt you (Give me just a chance) You'll never get away from the sound Of the woman who loves you (Was I just a fool)

Vale Quanto Pesa - Luiz Melodia - LETRAS.MUS.BR

(via)
exibições 18.124 Vale Quanto Pesa Luiz Melodia Quanto você ganha pra me enganar Quanto você paga pra me ver sofrer É quanto você força pra me derreter Sou forte feito cobra coral Semente brota em qualquer local Um velho novo cartão postal, cartão postal Aquela madrugada deu em nada, deu em muito, deu em sol Aquele seu desejo me deu medo, me deu força, me deu mal Ai de mim, de nós dois Ai de mim, de nós dois Vale quanto pesa, reza a lesa de nós dois Ai de mim, de nós dois Temos um passado já marcado não podemos mentir Beijos demorados afirmados não podemos mentir Sou feito cobra coral Semente brota em qualquer local Um velho novo cartão postal, cartão postal Aquela madrugada deu em nada, deu em muito, deu em sol Aquele seu desejo me deu medo, me deu força, me deu mal

Raimundo Faoro – Wikipédia, a enciclopédia livre

(via)
Raimundo Faoro Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa Raymundo Faoro ABL logo.svg Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Período 1 de abril de 1977 até 1 de abril de 1979 Antecessor(a) Caio Mário da Silva Pereira Sucessor(a) Eduardo Seabra Fagundes Magnum opus Os donos do poder - formação do patronato político brasileiro Dados pessoais Nascimento 27 de abril de 1925 Vacaria, RS Morte 15 de maio de 2003 (78 anos) Rio de Janeiro, RJ Alma mater Universidade Federal do Rio Grande do Sul Profissão Jurista, sociólogo, historiador, cientista político e escritor linkWP:PPO#Brasil Raimundo Faoro (na grafia arcaica, Raymundo Faoro; Vacaria, 27 de abril de 1925 — Rio de Janeiro, 15 de maio de 2003) foi um jurista, sociólogo, historiador, cientista político e escritor brasileiro. Foi presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), de 1977 a 1979,[1] e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL).[2] É autor do livro Os Donos do Poder, em que analisa a formação sociopolítica patrimonialista do Brasil.

Viva La Vida - Coldplay - LETRAS.MUS.BR

(via)
Viva La Vida Coldplay exibições 3.603.081 I used to rule the world Seas would rise when I gave the word Now in the morning I sleep alone Sweep the streets I used to own I used to roll the dice Feel the fear in my enemy's eyes Listened as the crowd would sing Now the old king is dead! Long live the king! One minute I held the key Next the walls were closed on me And I discovered that my castles stand Upon pillars of salt and pillars of sand I hear Jerusalem bells are ringing PUBLICIDADE inRead invented by Teads Roman Cavalry choirs is singing Be my mirror, my sword and shield My missionaries in a foreign field For some reason I can't explain Once you'd gone there was never Never an honest word That was when I ruled the world It was the wicked and wild wind Blew down the doors to let me in Shattered windows and the sound of drums People couldn't believe what I'd become Revolutionaries wait For my head on a silver plate Just a puppet on a lonely string Oh who would ever want to be king? I hear Jerusalem bells are ringing Roman Cavalry choirs are singing Be my mirror, my sword and shield My missionaries in a foreign field For some reason I can't explain I know Saint Peter won't call my name Never an honest word But that was when I ruled the world Oh, oh, ooh, oh, oh, oh Oh, oh, ooh, oh, oh, oh Oh, oh, ooh, oh, oh, oh Oh, oh, ooh, oh, oh, oh Oh, oh, ooh, oh, oh, oh Hear Jerusalem bells are ringing Roman Cavalry choirs are singing Be my mirror, my sword and shield My missionaries in a foreign field For some reason I can't explain I know Saint Peter won't call my name Never an honest word But that was when I ruled the world Tradução Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Seu Polícia - Zé Neto e Cristiano - LETRAS.MUS.BR

(via)
Seu Polícia Zé Neto e Cristiano exibições 656.629 Seu polícia, é que eu separei recentemente De paixão, eu tô doente Será que o senhor me entende? Os vizinhos tão reclamando do volume do meu som Mas enquanto ela não voltar Eu vou continuar Me afogando no álcool O som do carro no talo Manda a multa, que eu vou pagar Mas enquanto ela não voltar Sofrimento é mato Coração em pedaço Compreenda, por favor O meu amor me deixou Seu polícia, é que eu separei recentemente De paixão, eu tô doente Será que o senhor me entende? Os vizinhos tão reclamando do volume do meu som Mas enquanto ela não voltar Eu vou continuar Me afogando no álcool O som do carro no talo Manda a multa, que eu vou pagar Mas enquanto ela não voltar Sofrimento é mato Coração em pedaço Compreenda, por favor O meu amor me deixou Me afogando no álcool O som do carro no talo Manda a multa, que eu vou pagar Mas enquanto ela não voltar Sofrimento é mato Coração em pedaço Compreenda, por favor O meu amor me deixou

Chuva de Arroz - Luan Santana - LETRAS.MUS.BR

(via)
Chuva de Arroz Luan Santana exibições 693.325 Não mudei de cidade, nem de telefone Só escolhi ser feliz É o mesmo endereço, o mesmo apartamento Em frente à igreja matriz Por isso todo mundo passa E quem nunca passou, vai passar Já tô dizendo aos meus amigos Calma que eu não vou pirar Já pirei! Me apaixonei, perdidamente E o que eu sei, é que daqui pra frente Vai ser nossa cidade, nosso telefone Nosso endereço, nosso apartamento Sabe aquela igreja? Tô aqui na frente, imaginando chuva de arroz na gente! Não mudei de cidade, nem de telefone Só escolhi ser feliz É o mesmo endereço, o mesmo apartamento Em frente a igreja matriz Por isso todo mundo passa E quem nunca passou, vai passar Já tô dizendo aos meus amigos Calma que eu não vou pirar Já pirei! Me apaixonei, perdidamente E o que eu sei, é que daqui pra frente Vai ser nossa cidade, nosso telefone Nosso endereço, nosso apartamento Sabe aquela igreja? Tô aqui na frente, imaginando chuvas Vai ser nossa cidade, nosso telefone Nosso endereço, nosso apartamento Sabe aquela igreja? Tô aqui na frente, imaginando chuva de arroz na gente!

A Primeira Vista - Chico César - LETRAS.MUS.BR

(via)
A Primeira Vista Chico César exibições 495.077 Quando não tinha nada, eu quis Quando tudo era ausência, esperei Quando tive frio, tremi Quando tive coragem, liguei Quando chegou carta, abri Quando ouvi Prince, dancei Quando o olho brilhou, entendi Quando criei asas, voei Quando me chamou, eu vim Quando dei por mim, tava aqui Quando lhe achei, me perdi Quando vi você, me apaixonei Amarazáia zoê, záia, záia A hin hingá do hanhan Ohhh! Amarazáia zoê, záia, záia A hin hingá do hanhan Quando não tinha nada, eu quis Quando tudo era ausência, esperei Quando tive frio, tremi Quando tive coragem, liguei Quando chegou carta, abri Quando ouvi Salif Keita, dancei Quando o olho brilhou, entendi Quando criei asas, voei Quando me chamou, eu vim Quando dei por mim, tava aqui Quando lhe achei, me perdi Quando vi você, me apaixonei Amarazáia zoê, záia, záia A hin hingá do hanhan Ohhhhh! Amarazáia zoê, záia, záia A hin hingá do hanhan Quando me chamou, eu vim Quando dei por mim, tava aqui Quando lhe achei, me perdi Quando vi você, me apaixonei Amarazáia zoê, záia, záia A hin hingá do hanhan Ohhhhh! Amarazáia zoê, záia, záia A hin hingá do hanhan Ohhhhh! Amarazáia zoê, záia, záia

Chão de Estrelas - Silvio Caldas - LETRAS.MUS.BR

(via)
Chão de Estrelas Silvio Caldas exibições 92.700 Minha vida era um palco iluminado Eu vivia vestido de dourado Palhaço das perdidas ilusões Cheio dos guizos falsos da alegria Andei cantando a minha fantasia Entre as palmas febris dos corações Meu barracão no morro do Salgueiro Tinha o cantar alegre de um viveiro Foste a sonoridade que acabou E hoje, quando do sol, a claridade Forra o meu barracão, sinto saudade Da mulher pomba-rola que voou Nossas roupas comuns dependuradas Na corda, qual bandeiras agitadas Pareciam um estranho festival Festa dos nossos trapos coloridos A mostrar que nos morros mal vestidos É sempre feriado nacional A porta do barraco era sem trinco Mas a lua, furando o nosso zinco Salpicava de estrelas nosso chão Tu pisavas nos astros, distraída Sem saber que a ventura desta vida É a cabrocha, o luar e o violão

Juízo Final - Nelson Cavaquinho - LETRAS.MUS.BR

(via)
Juízo Final Nelson Cavaquinho exibições 197.783 O sol há de brilhar mais uma vez A luz há de chegar aos corações Do mal será queimada a semente O amor será eterno novamente É o Juízo Final A história do Bem e do Mal Quero ter olhos pra ver A maldade desaparecer

Lygia Fagundes Telles - O moço do saxofone

(via)
O moço do saxofone Lygia Fagundes Telles Eu era chofer de caminhão e ganhava uma nota alta com um cara que fazia contrabando. Até hoje não entendo direito por que fui parar na pensão da tal madame, uma polaca que quando moça fazia a vida e depois que ficou velha inventou de abrir aquele frege-mosca. Foi o que me contou o James, um tipo que engolia giletes e que foi o meu companheiro de mesa nos dias em que trancei por lá. Tinha os pensionistas e tinha os volantes, uma corja que entrava e saía palitando os dentes, coisa que nunca suportei na minha frente. Teve até uma vez uma dona que mandei andar só porque no nosso primeiro encontro, depois de comer um sanduíche, enfiou um palitão entre os dentes e ficou de boca arreganhada de tal jeito que eu podia ver até o que o palito ia cavucando. Bom, mas eu dizia que no tal frege-mosca eu era volante. A comida, uma bela porcaria e como se não bastasse ter que engolir aquelas lavagens, tinha ainda os malditos anões se enroscando nas pernas da gente. E tinha a música do saxofone.

Pescando Letras: ANÁLISE DO CONTO ”O MOÇO DO SAXOFONE”

(via)
ANÁLISE DO CONTO ”O MOÇO DO SAXOFONE” O conto “O moço do saxofone”, da escritora brasileira Lygia Fagundes Telles, foi escrito por volta da década de 60. No mesmo ano da escritura do conto, logo ele foi publicado no Rio de Janeiro, fazendo parte da obra Antes do Baile Verde , lançada em 1970. Lygia escreveu o seu conto numa noite do ano de 1966, quando estava num quarto de hotel em Águas de São Pedro (SP), onde se hospedava com o segundo marido, Paulo Emílio. A escritora nomeou o conto como “O moço do saxofone”, que conta a história simples de um caminhoneiro que se hospeda numa pensão. Mas o conto não demoraria tanto a ficar conhecido do público. No mesmo ano em que foi escrito, no dia 18 de junho foi publicado com destaque no Suplemento Literário que circulou de 1956 a 1974, e se tornou referência entre os cadernos do gênero no País ; Mais tarde o texto veio a ser publicado na década de 70. Nascida em 19 de abril de 1923, Lygia Fagundes Telles é imortal da Academia Brasileira de Letras desde 1985. Embora tenha começado a escrever e a publicar ficção muito cedo, quando ainda cursava Direito na USP, ela prefere considerar Ciranda de Pedra , de 1954, seu primeiro romance, o ponto de partida de sua obra adulta.

2013

FELICIDADE - Lupicínio Rodrigues (letra e vídeo)

Felicidade Lupicínio Rodrigues Felicidade foi se embora E a saudade no meu peito ainda mora E é por isso que eu gosto lá de fora Porque sei que a falsidade não vigora Lá onde eu moro tem muita mulher bonita Que usa vestido sem cinta e tem na boca um coração Cá na cidade se vê tanta falsidade Que a mulher faz sacanagem até dentro de pensão Felicidade foi se embora E a saudade no meu peito ainda mora E é por isso que eu gosto lá de fora Porque sei que a falsidade não vigora A minha casa fica lá detrás do mundo Mas eu vou em um segundo quando começo a cantar E o pensamento parece uma coisa à toa Mas como é que a gente voa quando começa a pensar Felicidade foi se embora E a saudade no meu peito ainda mora E é por isso que eu gosto lá de fora Porque sei que a falsidade não vigora Na minha casa tem um cavalo tortilho que é irmão do que é filho daquele que o Juca tem Quando eu agarro seus arreiros e lhe encilho Sou pior que limpa trilho e corro na frente do trem Felicidade foi se embora E a saudade no meu peito ainda mora E é por isso que eu gosto lá de fora Porque sei que a falsidade não vigora

CRYING IN THE RAIN - The Everly Brothers (letra e vídeo)

Crying In The Rain The Everly Brothers I'll never let you see The way my broken heart is hurting me I've got my pride and I know how to hide All my sorrow and pain I'll do my crying in the rain If I wait for cloudy skies You won't know the rain from the tears in my eyes You'll never know that I still love you so Though the heartaches remain I'll do my crying in the rain Raindrops falling from heaven Could never wash away my misery But since we're not together I'll wait for stormy weather To hide these tears I hope you'll never see Someday when my crying's done I'm gonna wear a smile and walk in the sun I may be a fool But till then, darling, you'll never see me complain I'll do my craing in the rain I'll do my crying in the rain I'll do my crying in the rain I'll do my crying in the rain

2010

O Livreiro (olivreiro) on Twitter

* Name O Livreiro * Location Brasil * Web http://www.olivre... * Bio A rede social para quem gosta de ler. 2,686 Following 5,145 Followers 350 Listed olivreiro