public marks

PUBLIC MARKS from tadeufilippini with tag br

August 2009

BR-Linux.org

BR-Linux.org Linux levado a sério desde 1996 Nota fiscal eletrônica em PHP e código aberto: NFePHP 12-08-2009 17:00 Enviado por Paulo Gabriel Coghi (paulocoghiΘgmail·com): “Muitos projetos para nota fiscal eletrônica estão surgindo. E para quem procura uma solução em PHP, em junho deste ano uma comunidade de desenvolvedores iniciou o NFePHP – Nota fiscal eletrônica em PHP. Assim como os demais projetos, o NFePHP é open source e já possui as principais funções, como [...] Conheça as novidades do KDE 4.3 – em português 12-08-2009 16:00 Enviado por Fernando Boaglio – Coordenador da tradução do KDE (boaglioΘkde·org): “É com imenso prazer que publicamos a lista de novidades do KDE 4.3 traduzida para o nosso idioma. Conheça mais sobre o KDE em português em http://br.kde.org/.” [referência: kde.org]

June 2009

4.2. Networking

4.2. Networking DNSSEC The bind and unbound (recursive DNS servers) now enable DNSSEC validation in their default configuration. DNSSEC Lookaside Verification (DLV) is also enabled with the dlv.sc.org DLV Registry. This behavior can be modified in /etc/sysconfig/dnssec by changing the DNSSEC and DLV settings. With DNSSEC enabled, when a domain supplies DNSSEC data (such as .gov, .se, the ENUM zone and other TLD's) then that data will be cryptographically validated on the recursive DNS server. If validation fails due to attempts at cache poisoning, for example via a Kaminsky Attack, then the end user will not be given this forged/spoofed data. DNSSEC deployment is gaining speed rapidly, and is a crucial and logical step to make the Internet more secure for end users. DLV is used to add DNSSEC signed domains into TLD's that themselves are not yet signed, such as .com and .org. TigerVNC TigerVNC is used as default VNC project. Package names were changed to tigervnc, tigervnc-server and tigervnc-server-module. Binary names are the same as in previous versions. The libvnc.so module has been moved to the tigervnc-server-module subpackage. Otherwise there should be no difference.

4. Changes in Fedora for Desktop Users

4. Changes in Fedora for Desktop Users 4.1. Fedora Desktop 4.1.1. GNOME Gnome-panel Previously, users could move the gnome-panel to from one part of the desktop to another by clicking on the gnome-panel, dragging it to another location while holding down the mouse button, and releasing the mouse button. Now, users must also hold down a key on the keyboard while moving the gnome-panel. By default, this modifier key is the Alt key, but users may change it to any other key by using the windows preference tool (System>Preferences>Windows). This change in behavior greatly reduces the chances of a user accidentally moving the panel, and makes moving the gnome-panel the same as moving windows in GNOME.

Lançado o Fedora 11

Lançado o Fedora 11 Enviado por Rafael Gomes (rafaelgomesΘprojetofedora·org): “Depois de tanto esperar, é com enorme prazer, que o Projeto Fedora Brasil anuncia hoje o lançamento da décima primeira versão de uma das maiores e mais famosas distribuições GNU/Linux do mundo, conhecida por sua característica inovadora, sempre atuando na vanguarda da tecnologia. Antecipando-se à maioria das vezes no lançamento de novidades.

April 2009

UbuntuParaCriancas - Ubuntu Brasil

palavras chave: ubuntu, linux, crianças, educação, software, educativo, for kids, 4 kids. Uma das coisas legais do software livre é a preocupação com as crianças. Para elas, são feitos diversos programas educativos, que treinam a coordenação motora, raciocínio lógico, memória e outros exercícios. Este guia mostrará algumas (todas?) essas opções, além de mostrar como criar um usuário especial no sistema, de maneira que a criança possa usar o computador, em geral do pai, sem danificar nenhuma configuração de outros usuários ou do sistema. Ele se difere do Edubuntu - versão de distribuição do ubuntu voltada para a educação - pois a idéia deste guia é como instalar programas e criar um usuário que atenda as necessidades de uma criança, para o caso típico da utilização do computador de um adulto por uma criança. Contribua! Se você tem alguma sugestão, dica, relato de experiência, não deixe de compartilhar. Você mesmo pode se cadastrar neste Wiki (ComeceAqui) e inserir o seu texto. Caso não queira passar pelo processo de cadastro que demora pouco menos de 1 minuto, entre em contato comigo (DudaNogueira) por email.

October 2008

twiki- KdeBR

Konquiste seu Desktop! KDE é um poderoso ambiente gráfico de software livre para estações de trabalho em ambientes Linux e UNIX. http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/KdeBR

September 2008

Formas de Obter o Ubuntu | Ubuntu-BR

Clique no link para ver as opções de download e baixar agora mesmo a sua cópia do Ubuntu. Esta é a maneira mais simples, rápida e fácil de se obter o Ubuntu - o arquivo possui apenas 700MB para ser gravado em um único CD. A Canonical, empresa que patrocina o desenvolvimento do Ubuntu, possui um serviço de distribuição de CDs. Este serviço chega a você sem custo algum, embora gere uma série de despesas que poderiam estar sendo empregadas no desenvolvimento do sistema operacional. Se você deseja solicitar seus CDs do Ubuntu acesse esta página.

July 2008

April 2008

sampaART - casa das rosas

Inspirado no modelo arquitetônico dos casarões franceses, o imóvel, situado no número 37 da Avenida Paulista, foi construído, em 1935, pelo escritório técnico de Ramos de Azevedo, para servir de residência a uma das filhas do grande arquiteto paulista. O casarão foi habitado até 1986, quando foi desapropriado pelo Governo do Estado de São Paulo. No local, tombado em 1985, pelo Condephaat, a Secretaria de Estado da Cultura inaugurou, em 11 de março de 1991, o espaço cultural conhecido por Casa das Rosas, cujo nome foi inspirado na flor predominante nos grandes jardins do imóvel. A proposta deste espaço é traduzir e codificar uma linguagem que possibilite o salto para uma nova civilização. Não é uma metalinguagem. É uma nova linguagem, sem nenhum compromisso ou liame com o passado. É um salto quântico, uma ruptura que não deixa pontes. É um momento desconfortável e, ao mesmo tempo, fascinante. Neste último milênio, assistimos a três mudanças básicas de civilização: da oralidade ou memória circunscrita para a civilização da escrita ou memória extensível e, finalmente, para a civilização eletrônica ou de memória incomensurada. A Casa das Rosas está “plugada” com o mundo e criando o ideal da arte sem fronteiras. Todas as exposições acontecem tanto em suas dependências físicas quanto nas WEBPAGES da Casa das Rosas. Escritores, poetas, artistas plásticos, fotógrafos são convidados a trabalharem em hipertextos e hiperimagens e terem seus trabalhos hospedados em nosso site. O acervo digital da Casa das Rosas: Rosas Net Art . Diretor: Frederico Barbosa Av. Paulista, 37 - Bela Vista Fone: 11 3285-6986/ 3288-9447 Funcionamento: Aberta de terça a domingo, das 11h às 21h.

Decio Pignatari

Décio Pignatari (Jundiaí SP 1927) Publicou, em 1949, os poemas Noviciado e Unha e Carne na Revista Brasileira de Poesia. Na época, integrava o Clube de Poesia, em São Paulo SP, liderado por poetas e críticos da Geração de 45. Em 1952 fundou o Grupo Noigandres, com Augusto de Campos e Haroldo de Campos, que publicou cinco antologias poéticas. Entre 1956 e 1957 participou do lançamento oficial da Poesia Concreta na Iº Exposição Nacional de Arte Concreta, no MAM/SP e no saguão do MEC/RJ. Publicou, em 1958, o Plano-Piloto para Poesia Concreta, em co-autoria com Augusto de Campos e Haroldo de Campos, em Noigandres n.4. Nas décadas seguintes, traduziu várias obras em francês, inglês e russo. Foi um dos criadores da editora e da revista Invenção, lançada em 1962 como veículo da Poesia Concreta. Em 1964 lançou o Manifesto do Poema-Código ou Semiótico, com Luiz Angelo Pinto. Foi membro-fundador da Associação Internacional de Semiótica, em Paris (França), em 1969. Nas décadas de 1980 e 1990 colaborou em vários periódicos, entre os quais a Folha de S. Paulo, e foi professor de Semiótica e Comunicação da FAU/USP. Publicou vários livros de ensaios, entre eles Cultura Pós-Nacionalista (1998). Sua obra poética inclui os livros Carrossel (1950), Exercício Findo (1958), Poesia pois é Poesia (1977) e Poesia pois é Poesia, 1950/1975. Poetc, 1976/1986 (1986). Décio Pignatari, criador do poema-código e semiótico, é um dos principais nomes da poesia Concreta. O Lobisomem O amor é para mim um Iroquês De cor amarela e feroz catadura Que vem sempre a galope, montado Numa égua chamada Tristeza. Ai, Tristeza tem cascos de ferro E as esporas de estranho metal Cor de vinho, de sangue, e de morte, Um metal parecido com ciúme. (O Iroquês sabe há muito o caminho e o lugar Onde estou à mercê: É uma estrada asfaltada, tão solitária quanto escura, Passando por entre uns arvoredos colossais Que abrem lá em cima suas enormes bocas de silêncio e solidão). Outro dia eu senti um ladrido De concreto batendo nos cascos: Era o meu Iroquês que chegava No seu gesto de anti-Quixote. Vinha grande, vestido de nada Me empolgou corações e cabelos Estreitou as artérias nas mãos E arrancou minha pele sem sangue E partiu encoberto com ela Atirando-me os poros na cara. E eu parti travestido de Dor, Dor roubada da placa da rua Ululando que o vento parasse De açoitar minha pele de nervos. Veio o frio com olhos de brasa Jogou olhos em todo o meu corpo; Encontrei uma moça na rua, Implorei que me desse sua pele E ela disse, chorando de mágua, Que era mãe, tinha seios repletos E a filhinha não gosta de nervos; Encontrei um mendigo na rua Moribundo de fome e de frio: “Dá-me a pele, mendigo inocente, Antes que Ela te venha buscar.” Respondeu carregado por Ela: “Me devolves no Juízo Final?” Encontrei um cachorro na rua: “Ó cachorro, me cedes tua pele?” E ele, ingênuo, deixando a cadela Arrancou a epiderme com sangue Toda quente de pêlos malhados E se foi para os campos da lua Desvestido da própria nudez Implorando a epiderme da lua. Fui então fantasiado a travesti Arrojado na escala do mundo E não houve lugar para mim. Não sou cão, não sou gente - sou Eu. Iroquês, Iroquês, que fizeste?

March 2008