public marks

PUBLIC MARKS from tadeufilippini with tag "bertolt brecht"

This year

Aos que virão depois de nós - Carta Maior

(via)
Eu vivo em tempos sombrios. Uma linguagem sem malícia é sinal de estupidez, Uma testa sem rugas é sinal de indiferença. Aquele que ainda ri é porque ainda não recebeu a terrível notícia. Que tempos são esses, Quando falar sobre flores é quase um crime. Pois significa silenciar sobre tanta injustiça? Aquele que cruza tranqüilamente a rua Já está então inacessível aos amigos Que se encontram necessitados? É verdade: eu ainda ganho o bastante para viver. Mas acreditem: é por acaso. Nada do que eu faço Dá-me o direito de comer quando eu tenho fome. Por acaso estou sendo poupado. (Se a minha sorte me deixa estou perdido!) Dizem-me: come e bebe! Fica feliz por teres o que tens! Mas como é que posso comer e beber, Se a comida que eu como, eu tiro de quem tem fome? Se o copo de água que eu bebo, faz falta a quem tem sede? Mas apesar disso, eu continuo comendo e bebendo. Eu queria ser um sábio. Nos livros antigos está escrito o que é a sabedoria: Manter-se afastado dos problemas do mundo E sem medo passar o tempo que se tem para viver na terra; Seguir seu caminho sem violência, Pagar o mal com o bem, Não satisfazer os desejos, mas esquecê-los. Sabedoria é isso! Mas eu não consigo agir assim. É verdade, eu vivo em tempos sombrios! II Eu vim para a cidade no tempo da desordem, Quando a fome reinava. Eu vim para o convívio dos homens no tempo da revolta E me revoltei ao lado deles. Assim se passou o tempo Que me foi dado viver sobre a terra. Eu comi o meu pão no meio das batalhas, Deitei-me entre os assassinos para dormir, Fiz amor sem muita atenção E não tive paciência com a natureza. Assim se passou o tempo Que me foi dado viver sobre a terra. III Vocês, que vão emergir das ondas Em que nós perecemos, pensem, Quando falarem das nossas fraquezas, Nos tempos sombrios De que vocês tiveram a sorte de escapar. Nós existíamos através da luta de classes, Mudando mais seguidamente de países que de sapatos, desesperados! Quando só havia injustiça e não havia revolta. Nós sabemos: O ódio contra a baixeza Também endurece os rostos! A cólera contra a injustiça Faz a voz ficar rouca! Infelizmente, nós, Que queríamos preparar o caminho para a amizade, Não pudemos ser, nós mesmos, bons amigos. Mas vocês, quando chegar o tempo Em que o homem seja amigo do homem, Pensem em nós Com um pouco de compreensão. N.E.: Na Arca do Arqueólogo é mais um depositário de textos que Carta Maior endereça Ao Arqueólogo do Futuro, num gesto que busca religar-nos àquilo com que ainda não rompemos, mas de que estamos prestes a nos excluir: o futuro! Aos que virão depois de nós

ENCONTRO ABERTO com a Companhia do Feijão | Companhia do Feijão

Realizamos na próxima quarta, dia 14 de março, às 20h, um encontro aberto sobre nosso espetáculo atualmente em temporada: DaTchau – rumo à estação GrandeAvenida. O encontro contará com a presença do autor do texto e diretor do espetáculo Pedro Pires e de integrantes do elenco, que debaterão com o público o processo de criação e as intenções presentes nas formas e conteúdos da encenação; além de apontamentos para as próximas etapas de nosso projeto de criação atual, apoiado em obras de Bertolt Brecht e Jorge Andrade. Compareça. Suas opiniões e questionamentos são fundamentais para a continuidade e maturação do nosso trabalho. Não haverá apresentações do espetáculo nos dias 12, 13 e 14 de março. A temporada será retomada na semana seguinte (dia 19), sempre de segunda a quarta às 20h, até o dia 28 de março, com ingressos gratuitos. Esta entrada foi publicada em Encontros abertos e marcada com a tag companhia do feijão, DaTchau - rumo à estação GrandeAvenida. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Larissa Nunes - issuu

Bertolt Brecht - A peça didática de baden baden sobre o acordo by Published 1 year ago Cover of "Teresa de Lauretis - A Tecnologia do Gênero" Teresa de Lauretis - A Tecnologia do Gênero by Published

2009

SARAU PARA TODOS: Nada é impossível de mudar (Bertolt Brecht )

(via)
segunda-feira, 12 de outubro de 2009 Nada é impossível de mudar (Bertolt Brecht ) Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual. Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar.

2008

Antologia Poetica de Bertolt Brecht

(via)
Aos que virão depois de nós I Eu vivo em tempos sombrios. Uma linguagem sem malícia é sinal de estupidez, uma testa sem rugas é sinal de indiferença. Aquele que ainda ri é porque ainda não recebeu a terrível notícia. Que tempos são esses, quando falar sobre flores é quase um crime. Pois significa silenciar sobre tanta injustiça? Aquele que cruza tranqüilamente a rua já está então inacessível aos amigos que se encontram necessitados? É verdade: eu ainda ganho o bastante para viver. Mas acreditem: é por acaso. Nado do que eu faço Dá-me o direito de comer quando eu tenho fome. Por acaso estou sendo poupado. (Se a minha sorte me deixa estou perdido!) Dizem-me: come e bebe! Fica feliz por teres o que tens! Mas como é que posso comer e beber, se a comida que eu como, eu tiro de quem tem fome? se o copo de água que eu bebo, faz falta a quem tem sede? Mas apesar disso, eu continuo comendo e bebendo. Eu queria ser um sábio. Nos livros antigos está escrito o que é a sabedoria: Manter-se afastado dos problemas do mundo e sem medo passar o tempo que se tem para viver na terra; Seguir seu caminho sem violência, pagar o mal com o bem, não satisfazer os desejos, mas esquecê-los. Sabedoria é isso! Mas eu não consigo agir assim. É verdade, eu vivo em tempos sombrios! II Eu vim para a cidade no tempo da desordem, quando a fome reinava. Eu vim para o convívio dos homens no tempo da revolta e me revoltei ao lado deles. Assim se passou o tempo que me foi dado viver sobre a terra. Eu comi o meu pão no meio das batalhas, deitei-me entre os assassinos para dormir, Fiz amor sem muita atenção e não tive paciência com a natureza. Assim se passou o tempo que me foi dado viver sobre a terra. III Vocês, que vão emergir das ondas em que nós perecemos, pensem, quando falarem das nossas fraquezas, nos tempos sombrios de que vocês tiveram a sorte de escapar. Nós existíamos através da luta de classes, mudando mais seguidamente de países que de sapatos, desesperados! quando só havia injustiça e não havia revolta. Nós sabemos: o ódio contra a baixeza também endurece os rostos! A cólera contra a injustiça faz a voz ficar rouca! Infelizmente, nós, que queríamos preparar o caminho para a amizade, não pudemos ser, nós mesmos, bons amigos. Mas vocês, quando chegar o tempo em que o homem seja amigo do homem, pensem em nós com um pouco de compreensão.